sexta-feira, 21 de julho de 2017

Roncó ... O silêncio que deveria trazer paz


Por Patrícia Bernardes
(texto registrado em cartório – Julho 2017)
Em tempos em que todos se assumem saber o seu “lugar de fala” , eu me pego a questionar onde estão estas “falas” . Ao longo de 40 anos de vida e 18 anos de caminhada religiosa em busca da sonhada “paz” descrita nos livros de Candomblé , tornei-me “insubmissa” nesta caminhada em prol da verdade dos “roncós inquietos e conturbados deste século”sob a luz da Universidade Federal da Bahia , através de seu Núcleo de Estudos Interdisciplinarares sobre a Mulher (NEIM) . Eu poderia aqui tecer a minha construção inicial da minha submissão de mestrado , dentro do polo epistemológico da confiabilidade e da minha técnica de validade de conteúdo e evidências porém , estou em processo de demarcação de um polo teórico de modelo acessível a todos pertencentes ou não ao Candomblé . 
A escolha do tema “ A Distorção do Conceito de Hierarquia nos Terreiros de Candomblé ; A Conturbada Passabilidade do Roncó e a Formação da Geração ‘ Candomblé On Line ’” nasceu da inquietação cotidiana de não entender a ascensão de uns e declínio total e flagelo de outros . A luz inicial da minha reflexão sobre este tese de mestrado será a “caminhada para a iniciação” realizada no roncó , lugar sagrado onde ficam recolhidos os iniciados . Usarei como base temática e metafórica os objetos sagrados como o apèrè ( banco de madeira pequeno)e o eni ( esteira de palha ) como comprovação e distorção do mau uso destes instrumentos de “submissão ao sagrado” como forma de prática de crimes como assédio moral , assédio sexual , estupro de vulnerável , estelionato e homicídio . 
“ Lugar de fala que silencia vítimas de violência em espaços públicos não é lugar de fala” , Patrícia Bernardes . 
A tecnologia chegou aos terreiros de Candomblé e as denúncias , fotos e relatos respaldam a importância de um estudo profundo desta formação crescente da “Geração Orixá On Line” onde os fundamentos pertencentes ao awo ( segredo) do sagrado é continuamente “vendido” em telefonemas inescrupulosos com “ listas de obrigação” e “ ebós de prosperidade” tão quão perversos quanto a estimativa doentio de violência física , moral e psicológica relatada pelos denunciantes da Igreja Católica e da Igreja Protestante . 
A “ maquiada” hierarquia praticada nos Terreiros de Candomblé atuais são facilmente detectadas a medida que visualizamos o crescimento desordenado dos Terreiros Urbanos e o declínio estrutural dos Terreiros tombados . Este recorte de estudo é utilizado por mim para fundamentar a prática incoerente de abusos , muitas vezes descritos pelas vítimas de falsos babalorixás e yalorixás , como estelionato . 
Previsto por lei , toda a analogia destes crimes produzidas em meus estudos científicos em iniciação em Julho de 2017 , pretende realinhar o conceito do sagrado x perverso escondido por debaixo das folhas que forram o chão onde são colocadas os objetos do sagrado para suporte de quem deveria ser o guardião daquele corpo material na Terra a ser apresentado ao sagrado no céu no momento de sua “ feitura” ; entrega/confirmação .
A passabilidade no roncó será estudada de acordo com a vulgarização e permanência criminosa de pessoas sem caráter que se utilizam de fundamentação “ errônea” de orí (cabeça) meji (metade) para violentar os corpos sagrados de pessoas , na maioria mulheres e jovens de 15 á 20 anos em transe ou não , para a prática de sexo oral ou penetração inicial nos órgão genitais , sob a argumentação de fazer estas vítimas serem testadas se estão ou não incorporadas de seu orixá . Salientando também o uso , neste contexto , a coação e a submissão a vergonha pública caso haja denúncia junto aos seus “ irmãos de santo” , nome dado aos também frequentadores do mesmo “ barco” (grupo de iniciados ) . 
Desbravar é a minha ação diária em nome de mulheres e adolescentes vítimas da violência perversa que assola o Candomblé atual . É imoral a situação atual do Candomblé nos dias atuais salientando que o que quero não é desmerecer ou perseguir esta prática religiosa na qual eu também faço parte . Eu , Patrícia Bernardes , sugerida como filha de Iroko , quero apenas “ retirar estas folhas imundas” que cobrem a visão do poder público e de nada nos honra na terra sagrada dos orixás . Estes criminosos comerciantes de “ ebós de pureza e prosperidade” devem ser denunciados a luz da Justiça e não somente citados em rodas de ejò (fofocas) nas festas de obrigação suntuosas para quem visita e nada sagradas para quem esteve presente no roncó . 
Que a ancestralidade me guarde nesta caminhada ao lado da minha orientadora de pesquisa e de todos aqueles que participaram direta e indiretamente do resultado final da minha pesquisa .
Olorum Modùpé .

quarta-feira, 10 de maio de 2017

"Gênero e Feminismo" é tema em Cachoeira


" Maio da Diversidade" na Secretaria de Educação


"Transgeneridade nos Religiões" é tema em Salvador



Homofobia é tema marcha de protesto em Salvador


O movimento LGBT Baiano organizado em diversas entidades, grupos, coletivos que lutam pelo respeito a nossa cidadania, por mais direitos e politicas publicas para nos LGBT. Pois estamos cansadas e indignadas em perder nossos parceiros, companheiros de luta, a exemplo da Samayelle, de Téu e de tantos muitos vitimados pela LGBTfobia, pelo sexismo, machismo, pela negligência do poder público.

Estamos nos aproximando do dia internacional do combate a LGBTFOBIA, 17 de maio, dia que conquistamos há 27 anos atrás com a saída da homossexualidade do CID da Organização Mundial da Saúde. Porém mesmo não sendo mais tratados como doentes, de lá pra cá não deixamos de sermos vitimas do ódio por nossa orientação sexual e de identidade de gênero. 

Por isso, conclamo a todos que construamos o ato VIDAS LGBTs IMPORTAM, no dia 11/05 quinta-feira, as 8h, na Secretária de Segurança Pública, na 4 avenida, próximo a Embasa, partiremos de lá em marcha até a Governadoria, passando pela ALBA, exigindo do poder público respostas que solucionem e nos permitam ter direito à vida.

Precisamos exigir dos responsáveis pelo Estado soluções para que nossas vidas deixem de ser levadas por tanto ódio!

"Bembé do Mercado" completa 128 anos


"Ovulário" discute direito e gênero em Salvador


Escravas ou Libertas ?!


Por Yalorixá Diana de Oxum 

Difícil responder a este questionamento em meu coração nos últimos tempos. O sangue das negras, tão abundantemente derramado nas fazendas, casarões e fundos de pontos comerciais no século passado, continua a ser derramado sobre nossas cabeças e nada se faz ou diz a não ser campanhas publicitárias com mensagens de denúncias que , nós mulheres negras ou brancas , sabemos que daquela mensagem na Tv, não avançará . Somos o tema eterno para gerar ibope e visibilidade a políticos e a emissoras de TV e Rádio que nada fazem a não ser divulgar a nossa morte . Falo nossa morte, pois somos nós, mulheres negras em sua maioria, que estamos morrendo. Aplaudimos as chicotadas no rádio e na tv enquanto tomamos no café da manhã , almoçamos e jantamos a noite . Estamos brincando de “ faz de conta de política pública” e estamos falando para nós mesmas em ambientes fechados enquanto nossas amigas mulheres , independente de religião , estão morrendo ou sendo violentadas na mente ou no corpo a cada segundo . Cadê as promessas de melhorias nas DEAMs ?! Cadê as equipes especializadas de em tratar estas vítimas de violência a cada segundo em Salvador ?! Cadê as nossas mulheres da política que foram empoderadas e receberam o nosso voto para fazer a diferença no cenário político atual ?! Onde nós estamos ?! Fomos “ engavetadas no esquecimento” como se fossemos uma pilha de papel com manuscritos sem serventia . Esquecidas. Somos propostas para votos em 2018, só isso?!
Oxum acolha as almas de todas estas mulheres mortas,sofridas e violentadas diariamente .O silêncio do poder público é uma violência também .

Filhas de Gandhy se apresentam no Mercado Modelo


MAFRO/UFBA discute racismo em Salvador


Projeto "Conhecendo Nossa África" acontece em Salvador


"Racismo Institucional" é debatido na UNEB


Marina Lima no "Mulher Com A Palavra" no TCA


Lívia Natália declama poesias no MAB


9º Mutirão Lei Maria da Penha em Salvador


quarta-feira, 15 de março de 2017

Lei Maria da Penha é tema na Faculdade Visconde de Cairu


2ª Edição do Mulheres Empreendedoras em Salvador



Com o tema " Uma mulher empoderada , empodera uma cidade inteira", a  2ª Edição do Mulheres Empreendedoras em Salvador será realizado na próxima quinta (30/03) , das 8hs às 13hs , no Hotel São Salvador (Stiep) . 

Em 2017 , o evento contará com mulheres empreendedoras de destaque no cenário de entretenimento e projetos voltados ao bem estar da mulher na Bahia . Nomes como a promoter Marta Góes e a advogada Mônica Kalile já estão confirmados . 


Para compor a mesa de debates, foram convidadas empreendedoras de sucesso, destaques no cenário baiano acerca de empoderamento feminino. Também foram firmadas diversas parcerias para a Feira de Negócios, inclusive contaremos com balcão de informações do SEBRAE. 


Para se inscrever, basta enviar e-mail para: eventos@bcma.adv.br

Dados necessários: 
Nome Completo - Empresa e/ou Profissão - Telefone para Contato. 
O investimento é no valor de R$ 25 (vinte e cinco reais).
Contamos com a sua presença​!!

Encontro de Mulheres Negras e Mulheres Quilombolas em Salvador




"92% das famílias quilombolas ainda aguardam pela titulação
A titulação continua um sonho distante para a grande maioria das comunidades quilombolas no Brasil. Desde que o direito foi reconhecido na Constituição Federal em 1988, apenas 165 terras quilombolas foram regularizadas, sendo 37 delas apenas parcialmente.Em 2016, apenas uma terra foi titulada. E do total de 1.525 processos no Incra, somente 37 tiveram avanços no ano passado com a emissão de Concessões de Direito Real de Uso (3) e publicações (5 decretos de desapropriação, 19 portarias de reconhecimento e 10 relatórios de identificação). "
Fonte: Incra 


Programação : 


1º dia 24/03/2017 – Local: Sede da SPD
Acolhimento das participantes

 Apresentação dos envolvidos e seus municípios
Atividades Culturais.


2º dia 25/03/2017 – Local: Casa de Angola
Diálogo entre Mulheres Urbanas e Quilombolas – Discutindo Autonomia e Desenvolvimento Social; 
Compreendendo as ferramentas de Controle Social e os Equipamentos de Implementação das Políticas Públicas.



3º dia 26/03/2017: Caravana Cultural- Entendendo a importância do Espaço Público e a Conservação Ambiental.



Como Participar
As inscrições podem ser feitas através dos contatos: 071 3033-56913 ou 9870-49648.

CSU Nordeste de Amaralina debate Lei Maria da Penha



convido vocês , mulheres do Nordeste de Amaralina , para estar conosco na palestra " Mulheres Não Fazem Silêncio "nesta sexta (24), às 9hs, no Centro Social Urbano da sua comunidade. Venha pensar conosco novas estratégias como sugestão para combater o silêncio da Violência Contra a Mulher . Junte-se a nós . Patrícia Bernardes

Projeto Mulheres Não Fazem Silêncio 2017 em Salvador


e o Projeto "Mulheres Não Fazem Silêncio "em Salvador  nasceu em grande estilo . Meu muito obrigado a Faculdade Visconde de Cairu , através da minha amiga querida e professora Andreia Macedo e a coordenadora do Núcleo de Assistência Social , Hilda Mello por acolher a minha proposta . Agradecer e abraçar ...Patrícia Bernardes 








terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Fé Sustentável no Candomblé


por Yalorixá Diana de Oxum

Sou do tempo que a minha fé era minha e minha caminhada com meu orixá era bem particular do roncó até os dias de hoje . Acompanhando os últimos acontecimentos do Candomblé ,me peguei a questionar onde está fundamentada a fé destes filhos de orixá no Brasil . Comprar pentes plásticos , perfumes , colares , brincos , cestas de vime dos mais diversos tamanhos e ambições trará os desejos para perto de seu dia dia ?! Vale refletir .
Vivemos em tempos que a natureza vem pedindo por socorro e a intolerância religiosa vem nos maltratando dia após dia .
Como ser de axé se estamos poluindo a casa de Yemanjá a cada dia mais e mais ?! Por que as flores banhadas no perfume que ela gosta já não é mais suficiente ?! O que você de fato espera de seu orixá se a sua fé já está aprisionada a objetos plásticos que fazem mal aos fundamentos da rainha das águas ?!
O que você quer pra sua vida ?! Fevereiro é um mês cercado de mistérios já que , os mais antigos do Candomblé , afirmam que exús e padilhas se fazem mais próximos por conta do Carnaval . Os espíritas afirmam que os espíritos presos a carne e com seus vícios de àlcool , sexo e drogas se misturam aos humanos que não cuidam da sua fé . Os antigos católicos afirmam que Fevereiro é o período da "festa da carne e da luxúria" . E você?! O que deseja do seu orixá ?! O que tem feito pela sua vida na Terra para dar orgulho ao seu orixá e viver em paz nos mares e nos rios de seu dia a dia ?! Uma fé sustentável não é presa aos acessórios plásticos para suplicar a Yemanjá , por vezes, algo que você mesmo pode fazer pela sua vida .
No meu Ilê as oferendas são orgânicas e se dissolvem no mar e no rio . Não poluímos a morada das yabás que tanto amamos ; Oxum e Yemanjá. Preserve as águas que lavam o seu ori (cabeça) e que consola o seu coração ano após ano. Se preserve na fé.