sexta-feira, 21 de julho de 2017

Roncó ... O silêncio que deveria trazer paz


Por Patrícia Bernardes
(texto registrado em cartório – Julho 2017)
Em tempos em que todos se assumem saber o seu “lugar de fala” , eu me pego a questionar onde estão estas “falas” . Ao longo de 40 anos de vida e 18 anos de caminhada religiosa em busca da sonhada “paz” descrita nos livros de Candomblé , tornei-me “insubmissa” nesta caminhada em prol da verdade dos “roncós inquietos e conturbados deste século”sob a luz da Universidade Federal da Bahia , através de seu Núcleo de Estudos Interdisciplinarares sobre a Mulher (NEIM) . Eu poderia aqui tecer a minha construção inicial da minha submissão de mestrado , dentro do polo epistemológico da confiabilidade e da minha técnica de validade de conteúdo e evidências porém , estou em processo de demarcação de um polo teórico de modelo acessível a todos pertencentes ou não ao Candomblé . 
A escolha do tema “ A Distorção do Conceito de Hierarquia nos Terreiros de Candomblé ; A Conturbada Passabilidade do Roncó e a Formação da Geração ‘ Candomblé On Line ’” nasceu da inquietação cotidiana de não entender a ascensão de uns e declínio total e flagelo de outros . A luz inicial da minha reflexão sobre este tese de mestrado será a “caminhada para a iniciação” realizada no roncó , lugar sagrado onde ficam recolhidos os iniciados . Usarei como base temática e metafórica os objetos sagrados como o apèrè ( banco de madeira pequeno)e o eni ( esteira de palha ) como comprovação e distorção do mau uso destes instrumentos de “submissão ao sagrado” como forma de prática de crimes como assédio moral , assédio sexual , estupro de vulnerável , estelionato e homicídio . 
“ Lugar de fala que silencia vítimas de violência em espaços públicos não é lugar de fala” , Patrícia Bernardes . 
A tecnologia chegou aos terreiros de Candomblé e as denúncias , fotos e relatos respaldam a importância de um estudo profundo desta formação crescente da “Geração Orixá On Line” onde os fundamentos pertencentes ao awo ( segredo) do sagrado é continuamente “vendido” em telefonemas inescrupulosos com “ listas de obrigação” e “ ebós de prosperidade” tão quão perversos quanto a estimativa doentio de violência física , moral e psicológica relatada pelos denunciantes da Igreja Católica e da Igreja Protestante . 
A “ maquiada” hierarquia praticada nos Terreiros de Candomblé atuais são facilmente detectadas a medida que visualizamos o crescimento desordenado dos Terreiros Urbanos e o declínio estrutural dos Terreiros tombados . Este recorte de estudo é utilizado por mim para fundamentar a prática incoerente de abusos , muitas vezes descritos pelas vítimas de falsos babalorixás e yalorixás , como estelionato . 
Previsto por lei , toda a analogia destes crimes produzidas em meus estudos científicos em iniciação em Julho de 2017 , pretende realinhar o conceito do sagrado x perverso escondido por debaixo das folhas que forram o chão onde são colocadas os objetos do sagrado para suporte de quem deveria ser o guardião daquele corpo material na Terra a ser apresentado ao sagrado no céu no momento de sua “ feitura” ; entrega/confirmação .
A passabilidade no roncó será estudada de acordo com a vulgarização e permanência criminosa de pessoas sem caráter que se utilizam de fundamentação “ errônea” de orí (cabeça) meji (metade) para violentar os corpos sagrados de pessoas , na maioria mulheres e jovens de 15 á 20 anos em transe ou não , para a prática de sexo oral ou penetração inicial nos órgão genitais , sob a argumentação de fazer estas vítimas serem testadas se estão ou não incorporadas de seu orixá . Salientando também o uso , neste contexto , a coação e a submissão a vergonha pública caso haja denúncia junto aos seus “ irmãos de santo” , nome dado aos também frequentadores do mesmo “ barco” (grupo de iniciados ) . 
Desbravar é a minha ação diária em nome de mulheres e adolescentes vítimas da violência perversa que assola o Candomblé atual . É imoral a situação atual do Candomblé nos dias atuais salientando que o que quero não é desmerecer ou perseguir esta prática religiosa na qual eu também faço parte . Eu , Patrícia Bernardes , sugerida como filha de Iroko , quero apenas “ retirar estas folhas imundas” que cobrem a visão do poder público e de nada nos honra na terra sagrada dos orixás . Estes criminosos comerciantes de “ ebós de pureza e prosperidade” devem ser denunciados a luz da Justiça e não somente citados em rodas de ejò (fofocas) nas festas de obrigação suntuosas para quem visita e nada sagradas para quem esteve presente no roncó . 
Que a ancestralidade me guarde nesta caminhada ao lado da minha orientadora de pesquisa e de todos aqueles que participaram direta e indiretamente do resultado final da minha pesquisa .
Olorum Modùpé .

quarta-feira, 10 de maio de 2017

"Gênero e Feminismo" é tema em Cachoeira


" Maio da Diversidade" na Secretaria de Educação


"Transgeneridade nos Religiões" é tema em Salvador



Homofobia é tema marcha de protesto em Salvador


O movimento LGBT Baiano organizado em diversas entidades, grupos, coletivos que lutam pelo respeito a nossa cidadania, por mais direitos e politicas publicas para nos LGBT. Pois estamos cansadas e indignadas em perder nossos parceiros, companheiros de luta, a exemplo da Samayelle, de Téu e de tantos muitos vitimados pela LGBTfobia, pelo sexismo, machismo, pela negligência do poder público.

Estamos nos aproximando do dia internacional do combate a LGBTFOBIA, 17 de maio, dia que conquistamos há 27 anos atrás com a saída da homossexualidade do CID da Organização Mundial da Saúde. Porém mesmo não sendo mais tratados como doentes, de lá pra cá não deixamos de sermos vitimas do ódio por nossa orientação sexual e de identidade de gênero. 

Por isso, conclamo a todos que construamos o ato VIDAS LGBTs IMPORTAM, no dia 11/05 quinta-feira, as 8h, na Secretária de Segurança Pública, na 4 avenida, próximo a Embasa, partiremos de lá em marcha até a Governadoria, passando pela ALBA, exigindo do poder público respostas que solucionem e nos permitam ter direito à vida.

Precisamos exigir dos responsáveis pelo Estado soluções para que nossas vidas deixem de ser levadas por tanto ódio!

"Bembé do Mercado" completa 128 anos